cultura | PARQUE BOSQUE DOS BURITIS RECEBE EXPOSIÇÃO FOTOGRÁFICA “CORRE CURUMIM!”

O ensaio do artista Wagner Araújo, que ficará exposto durante todo mês de abril e maio, retrata o cotidiano dos índios das etnias Kayapó, Krahô e Xavante

A exposição “Corre Curumin” do fotógrafo Wagner Araújo lançou, chegou ao Parque Bosque dos Buritis, localizado no Setor Oeste, em Goiânia. O ensaio ficará exposto durante os meses de abril e maio. De acordo com o professor Guilherme Ghisoni, que fez leitura e apresentação da exposição, Wagner Araújo é uma das referências da fotografia no Centro-Oeste, com uma produção que se estende por quase 40 anos e desde 2013, um dos seus temas recorrentes são os índios.

“Em seu trabalho mais recente, o artista se afasta da estética documental, que foi sempre sua marca característica, e avança em direção a uma reflexão visual que introduz elementos expressivos, de modo intencional, através do uso de cores. Por meio dessa via estética, o artista nos convida a uma reflexão. O mundo não é composto apenas pelos fatos que a câmera registra, mas pelos sentimentos e emoções que temos, ao partilhar um espaço e um tempo que nos é comum. É essa dimensão expressiva, dos sentimentos decorrentes da partilha de um mundo comum, que as cores de Wagner tornam visíveis”, destacou.

Com isso, ainda segundo Guilherme, o artista nos convida a uma profunda conexão com os índios das etnias Kayapó, Krahô e Xavante, por ele retratados. “Sua câmera nos permite ver a beleza dos índios brasileiros, na sua dimensão idílica – que nos remete à veia documental de sua obra. Mas o artista, ao nos dar as cores que sua alma encontra, na convivência com essas pessoas, nos permite também a apreensão da candura e da alegria de pessoas que vivem em harmonia com o meio ambiente”, falou ele.

Já o produtor cultural e presidente da Casa de Cultura Cavaleiro de Jorge, Juliano Basso, afirma que no Brasil existem mais de 305 povos indígenas. Falamos mais de 274 línguas diferentes. “É cada vez mais urgente olharmos, vivenciarmos e compreendermos a diversidade de nossos povos. Temos que celebrá-los, suas culturas, sabedorias e belezas, nos comprometendo a somar em suas lutas, cada dia mais necessárias, fortalecendo suas demandas políticas e sociais, que são planetárias”, destacou ele.

Por sua vez, o fotógrafo Wagner Araújo explica que as imagens fazem parte de uma pesquisa realizada no intervalo de 5 anos durante a convivência com etnias indígenas brasileiras, nos encontros e vivências culturais que acontecem anualmente na Aldeia Multiétnica, na cidade de Alto Paraíso de Goiás, na Chapada dos Veadeiros.

“Nas fotos com vários recortes, etnias indígenas distintas dialogam entre si, dentro da rica diversidade cultural nativa brasileira, entre as riquezas naturais, culturais e humanas, tendo sempre em comum a contemplação, a admiração, o reconhecimento e valorização de nosso patrimônio material e imaterial”, ressalta o artista.

A preocupação, de acordo com ele, é com a salvaguarda das culturas dos povos originários do Brasil e suas culturas constantemente ameaçadas. “O campo de investigação é a natureza humana e, aqui, os parentes indígenas são o fio condutor. Responsáveis pela formação de nossa raça brasileira, estão presentes em nosso DNA e literalmente na raiz de nossa identidade enquanto nação latino-americana. Devem ter todo o respeito, admiração e cuidado na preservação de sua memória ancestral, integridade física e cultural. Assim, os curumins, em toda a sua graça e pureza, são o símbolo desta fragilidade ameaçada, que nesta exposição vêm a público sensibilizar a nossa atenção”, afirma o fotógrafo.

O projeto EXPOURBI

A primeira edição do Projeto Expourbi tem o objetivo de produzir exposições fotográficas itinerantes na cidade de Goiânia, contendo imagens impressas com qualidade de alta definição, montadas em suporte de metal, em grandes formatos nos parques da cidade. A partir disso, propor uma reflexão a partir de uma linguagem contemporânea, a fotografia, fora dos espaços tradicionais como museus e galerias, tornando-a fisicamente acessível, ressignificando a paisagem da cidade.

Por ser itinerante e de longa duração, quatro meses, a exposição permite uma grande visibilidade a públicos distintos ao se revezarem nos espaços públicos de intensa circulação, otimizando os investimentos com mais aproveitamento dos recursos de fomento às artes. O projeto faz parte da Lei de Incentivo à Cultura, da Secretaria Municipal de Cultura do Município de Goiânia, e conta com autorização da Agência Municipal de Meio Ambiente.

A proposta é ocupar artisticamente espaços públicos de alta circulação, e proporcionar aos milhares de transeuntes diários a contemplação de imagens belas e significativas do imaginário popular. “Vamos compartilhar com o grande público, muitas vezes distantes das galerias e museus, esta oportunidade de vivenciar o contato com as pesquisas e suas sínteses definidas em obras fotográficas de grande significado documental, estético e reflexivo”, disse Wagner.

Serviço
Exposição Corre, Curumin
Data: abril e maio de 2023
Local: Parque Bosque dos Buritis

Este projeto tem o apoio da:

SECULT – Secretaria Municipal de Cultura do Município de Goiânia
Edital 01/2021 Lei de Incentivo à Cultura

AMMA – Agência Municipal de Meio Ambiente
Superintendência de Gestão Ambiental e Licenciamento
Conforme Autorização para Eventos – No 058/2022 – AMMA.
Locais e datas:

  1. Parque Areião, Setor Pedro Ludovico nos meses de Fevereiro e Março de 2023
  2. Bosque dos Buritis, Setor Oeste nos meses de Abril e Maio de 2023

Sobre Wagner Araújo

Engenheiro. Produtor Cultural. Fotógrafo profissional há mais de 30 anos. Dirige a WA IMAGEM – Fotografia e Produção Cultural. Fotos presentes em vários livros regionais e nacionais de fotografia, como o Cidades Patrimônio da Humanidade da UNESCO, o premiado Anuário Turístico de Goiás 95/97, Goiânia 60 Anos, Goiás e em inúmeras peças publicitárias. Realizou as exposições: Cerrado Brasileiro, uma fonte de vida’ em Sydney, Austrália a convite do Itamarati; ‘Goiás de Coralina’ na cidade de Goiás; ‘Cenas Médicas’ a convite da Amil em Goiânia; ‘Criadores do Céu de Anil’ em Guarulhos SP e Goiânia; Coletiva Art Vancouver 2017. Possui acervo com imagens de diversas regiões do Brasil. Dedica-se hoje a apoiar projetos culturais voltados para o estudo da imagem. Desenvolve pesquisa fotográfica autoral. Fez a curadoria das Exposições; Devotos e Bandeiras do Coletivo Olhares do Cerrado e Ser Kalunga para comemoração dos 20 anos da Casa de Cultura São Jorge. Entre outros projetos, trabalha na coordenação da 3ª edição do GOYAZES Festival de Fotografia Goiânia, na 6ª edição do projeto f/5 – Workshops de Fotografia Contemporânea. Conselheiro na REDE Nacional de Produtores de Fotografia.

About Teresa Cristina [Teka]

Check Also

#colunadofreitas | Resultado das contas públicas Brasil em 2023

Os governos estaduais, municipais e federal, organizam as suas finanças através das suas contabilidades semelhantes …

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *