#Goiás | CAIADO DECRETA ESTADO DE CALAMIDADE FINANCEIRA

50574096_1474571322680281_6066226020917182464_n

O governo de Goiás decretou estado de calamidade financeira, a exemplo de outros seis Estados. O documento, que será publicado em edição suplementar do Diário Oficial do Estado, chegará à Assembleia Legislativa nesta segunda-feira [21], para ratificação em convocação extraordinária. O secretário da Casa Civil, Anderson Máximo, afirma que houve decisão do governador Ronaldo Caiado [DEM] na sexta-feira e a elaboração ocorreu no fim de semana.

Um decreto federal de 2010 regulamenta o reconhecimento de situação de emergência e estado de calamidade pública de Estados e municípios. Não há referência direta sobre calamidade financeira, mas o expediente começou a ser utilizado por Estados em 2016 – Rio de Janeiro, Rio Grande do Sul e Minas Gerais. Outros três decretaram este ano: Roraima, Rio Grande do Norte e Mato Grosso.

De acordo com a legislação, a calamidade pública é decretada em casos mais graves do que a situação de emergência, quando a capacidade do poder público agir fica seriamente comprometida.

No caso dos governadores, o decreto tem sido utilizado mais como um apelo político para expor a crise e sensibilizar o governo federal para a necessidade de ajuda. O decreto permite parcelamento de dívidas com fornecedores, atraso na execução de despesas obrigatórias, antecipação de receitas e dispensa de licitações.

Há ainda a possibilidade de flexibilização de algumas regras da Lei de Responsabilidade Fiscal, no caso de aprovação pela Assembleia: o Estado ficaria temporariamente liberado de cumprir prazos de controle de despesas de pessoal e de limites de endividamento, atingir as metas fiscais e utilizar o mecanismo da limitação de empenho. [Fonte: Fabiana Pulcinelli | O Popular]

Agência Press |Notícias |Jornalismo
Marketing Digital | Redes Sociais

About Teresa Cristina [Teka]

Check Also

COLUNA do Freitas – Banco Central contra o Brasil

Em primeiro lugar, esse espaço se solidariza com o povo do Rio Grande do Sul que …

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *